Trump trará a paz para Israel e Palestina?

Apesar da comemoração dos partidários do atual governo do Likud em Israel, partido do Primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, até agora o governo de Donald Trump não correspondeu às expectativas que lhe foram depositadas. O discurso de Donald Trump em relação à política de assentamentos do governo israelense na Cisjordânia é realmente mais brando que o de Barack Obama, que abertamente criticava as ações de Netanyahu, mas Trump não provém o apoio que era esperado pelos israelenses. Contra o que especialistas em Oriente Médio esperavam, o presidente Trump decidiu pressionar por um acordo de paz israelense-palestino. Será que Trump terá sucesso diante o fracasso dos demais?

A opinião de especialistas estadunidenses, tanto à direita como à esquerda, tem exortado Trump por forçar israelenses e palestinos para, no máximo, algumas medidas de confiança modestas. O argumento é que os dois lados estão simplesmente muito distantes para fazer mais do que isso. Do lado palestino, a cisão entre a Faixa de Gaza e a Cisjordânia, entre o Hamas e a Autoridade Nacional Palestina (ANP), formada principalmente pelo partido Fatah, torna a situação mais complicada. O Hamas permanece rejeitando fortemente um acordo e Mahmoud Abbas, líder da ANP, embora bem-intencionado, ainda é politicamente fraco para conduzir uma negociação. Do lado israelense a situação não é menos complicada. Benjamin Netanyahu, enfrentando escândalos pessoais e um governo de linha dura, não tem a determinação para negociar com seus parceiros da coalizão, particularmente da direita religiosa (HaBait Hayehudi) que é a favor da anexação da Cisjordânia ao Estado de Israel, para qualquer tipo de compromisso.

Do lado dos que duvidam de Trump podemos argumentar que o presidente não tem as habilidades, paciência, compreensão e bom senso para fazer um dos conflitos mais complicados do mundo acabar. Ele ignora a história e as realidades atuais do Oriente Médio. E ele também está absurdamente confiante de que ele pode fazer o que nenhum presidente foi capaz de fazer por 70 anos. Parte dessa confiança equivocada é o simples narcisismo, outra parte talvez seja uma tentativa de desviar a atenção de suas lutas e frustrações na frente doméstica.

Em grande medida, todas estas preocupações são justificadas. As probabilidades de um grande avanço são pequenas. No entanto, existem outras maneiras de olhar para o que está acontecendo e algo a ser dito para uma iniciativa de Trump.

O mais importante, Trump tem uma equipe de política externa sólida e respeitável, liderada por James Mattis e H. McMaster. Mattis e McMaster estão reaproximando Trump de volta para o lado dos aliados árabes tradicionais dos Estados Unidos: Arábia Saudita e Egito. Eles acreditam que os sauditas e os egípcios possam levar os palestinos ao longo de um possível acordo e para os EUA, do outro lado, forçarem Israel, se necessário. E por que a preocupação com um acordo agora? Porque, como reconhecem militares veteranos nos EUA, a correnteza dos acontecimentos é profundamente preocupante no Oriente Médio. O Irã ganha força a cada dia que passa e a guerra civil na Síria ainda é preocupante e potencialmente explosiva.

Um acordo entre Israel e a Palestina não tem conexão direta com o acordo nuclear iraniano. Mattis e McMaster não esperam que o negócio seja suspenso. Mas eles acreditam que a paz israelo-palestina seria útil na criação de uma frente unida contra a expansão e “subversão” iraniana na região.

Os sauditas pensam que Trump terá pouca tolerância para o plano de paz árabe se esse plano estiver cheio de ambiguidades. Os palestinos provavelmente contemplam que a equipe de Trump esperará que eles ponham de lado, de uma vez por todas, suas demandas sobre o retorno dos refugiados de 1947 e seus descendentes. E Benjamin Netanyahu reconhece que 50 anos depois da Guerra dos Seis Dias (1967), Trump quererá que o governo de Israel diga em linguagem clara o que espera que as fronteiras de Israel sejam.

Em todo o caso, todas as partes sabem que se Trump é sério sobre querer um negócio, os dias de negociações intermináveis ​​são mais. Trump seria ingênuo? Talvez. Ele não tem noção da história diplomática? Possivelmente. Poderia destruir qualquer potencial acordo com um tweet mal-interpretado? Absolutamente.

No entanto, o que ele não fará é deixar que os árabes se esquivem e os israelenses construam assentamentos e proclamem que isso não importa. O que ele não fará é permitir que ambos os lados declarem que não têm “pré-condições” enquanto agitam uma lista de pontos em que o compromisso é absolutamente impossível. E ele não hesitará em exigir resultados, apontar os dedos e atribuir culpa. E quem sabe? Por mais improvável que pareça, talvez essa abordagem possa realmente funcionar.

Mas a chave é esta: Não há muito a perder. O status quo não é inofensivo, é pernicioso, prejudicando a estabilidade na região. E enquanto a construção de assentamentos e a ocupação continuam a minar as instituições democráticas de Israel e sua posição no mundo o acordo estará longe. Então, sim, Trump é um pouco louco, mas este pode ser o momento de dar a sua marca particular de loucura uma chance.

E, finalmente, temos que supor que o presidente Trump é sério sobre querer um acordo, estando Netanyahu feliz com isso ou não. Quando ele chegar a Israel para sua visita oficial, estará pronto com um plano. Netanyahu não tem feito bem nos últimos anos com os Presidentes dos EUA, e não pode se dar ao luxo de alienar este também. O Primeiro-ministro israelense deve estar preparado com especificidades e ideias concretas. Se os palestinos e os sauditas não estiverem prontos para a paz eles terão a culpa. Mas se eles estão prontos para avançar e Israel não estiver, sua imagem só irá se deteriorar ainda mais internacionalmente.

Karina Stange Calandrin

Karina Stange Calandrin é doutoranda em Relações Internacionais pelo Programa de Pós-Graduação San Tiago Dantas (Unesp – Unicamp – PUC-SP) na área de concentração Paz, Defesa, Segurança Internacional. Hoje, é Gerente de Relacionamentos na E and A Idiomas, Contato para a ONU Rede Brasil do Pacto Global e Professor at Universidade do Sagrado Coração.

You May Also Like

Exibir bot�es
Share On Facebook
Share On Google Plus
Share On Linkedin
Esconder bot�es